O ser que acontece em Luigi Pareyson

Autores

DOI:

https://doi.org/10.31977/grirfi.v23i3.3466

Palavras-chave:

Luigi Pareyson; Acontecer; Obra-forma; Teoria da Arte.

Resumo

O nexo decisivo da teoria da arte em Luigi Pareyson consiste em uma metafísica da criação artística. No texto que propomos aqui, o cerne da questão é o ser que acontece - Acontecer - não significa para Pareyson o Ereignis heideggeriano, mas o acontecer na arte e na pessoa. É na arte, que pode ser entendida a teoria da formatividade onde todo operar humano é uma feitura de formas reunidas na noção de obra-forma. Os aspectos da operatividade humana têm um caráter essencial de formatividade, concretizando-se em um acontecer que resulta em obras. Mas, só fazendo-se forma é que a obra acontece em sua irrepetível realidade; separada de seu autor e adquirindo vida própria, na sua indivisível unidade, abrindo-se à exigência e ao reconhecimento de seu valor singular e irrepetível. Formatividade é produção artística, feitura-invenção-acontecimento até a sua recepção pública. A experiência estética e a experiência concreta caminham de mãos dadas. O artista, ao criar, inventa leis e ritmos totalmente novos, por meio de uma livre escolha sugerida, tanto pela tradição cultural quanto pelo mundo físico, um acontecer cuja decodificação ocorre pela perseverança e dedicação do artista. Infere-se, pois, que o cerne da formatividade é a recorrência direta à experiência. É nesse sentido que ao longo do texto se evidenciará a visão receptiva, inventiva e produtiva, simultaneamente; o acontecer segue a inteireza própria da formação da obra de arte e da ideia de Obra-forma; a feitura-criação da arte e sua inseparabilidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Iris Uribe, Universidade Federal do Maranhão (UFMA)

Doutor(a) em Filosofia pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), Natal – RN, Brasil. Pesquisador(a) do Gepfit- Universidade Federal do Maranhão (UFMA), São Luís – MA, Brasil.

Referências

CANEVA, Claudia. Belezza e persona. L’esperienza estetica come epifania dell’umano in Luigi Pareyson. Roma: Armando Editore, 2008.

CIGLIA, Francesco Paolo. Ermeneutica e libertà. L’itinerario filosofico di Luigi Pareyson. Roma: Bulzoni, 1995.

GIVONE, Sergio. Storia dell’estetica. Roma-Bari: Laterza, 1990.

PAREYSON, Luigi. Conversazioni di estetica. Milão: Mursia, 1966b.

PAREYSON, Luigi. Esistenza e persona. Gênova: Il melangolo, 2002.

PAREYSON, Luigi. Estetica. Teoria della formatività. Milão: Bompiani, 2005.

PAREYSON, Luigi. Interpretazione e storia. In: Opere complete, v. 14. Milão: Mursia, 2007.

PAREYSON, Luigi. I problemi dell’estetica. Milão: Marzorati, 1966a.

PAREYSON, Luigi. L’esperienza artistica. Milão: Marzorati, 1974.

PAREYSON, Luigi. Problemi dell’estetica. I. Teoria. In: Opere complete, v. 10. Milão: Mursia, 2009.

PAREYSON, Luigi. Teoria dell’arte. Milão: Marzorati, 1965.

TOMATIS, Francesco. Pareyson. Vita, filosofia, bibliografia. Brescia: Morcelliana, 2003.

URIBE, Íris. F. S. Ontologia e Estética em Luigi Pareyson. Jundiaí (SP): Paco Editorial, 2021.

Downloads

Publicado

2023-10-31

Como Citar

URIBE, Iris. O ser que acontece em Luigi Pareyson. Griot : Revista de Filosofia, [S. l.], v. 23, n. 3, p. 183–193, 2023. DOI: 10.31977/grirfi.v23i3.3466. Disponível em: https://periodicos.ufrb.edu.br/index.php/griot/article/view/3466. Acesso em: 29 fev. 2024.

Edição

Seção

Artigos