O negativo do reconhecimento: do progresso ao irreconhecimento do progresso

Autores

DOI:

https://doi.org/10.31977/grirfi.v23i3.3543

Palavras-chave:

Reconhecimento; Teoria Crítica; Idealismo; Esclarecimento.

Resumo

O texto a seguir está dividido em quatro momentos articulados em torno de um diálogo com a teoria do reconhecimento social. No primeiro momento, procuro revisar os textos políticos de Kant com o objetivo de rediscutir alguns conceitos balizadores do que virá a ser a teoria do reconhecimento social. Conceitos como Natureza, sociabilidade insociável, a noção de liberdade em Kant, serão centrais para repensar o berço da teoria do reconhecimento e as justificações teóricas que amarram a utopia da paz perpétua. No segundo movimento, restauro a crítica da primeira geração da Escola de Frankfurt ao idealismo iluminista, centrando as análises na Dialética do Esclarecimento de Adorno e Horkheimer. É central, a compreensão do iluminismo como totalitarismo sistêmico, e, nossa investigação circulará esse ponto teórico recobrindo a obra e o retrospecto da discussão entre teoria crítica e projeto iluminista. No terceiro momento do texto, pontuo os principais elementos da escrita honnethiana, mais especificamente sua releitura dos escritos hegelianos de Jena, demonstrando como a luta por reconhecimento é herdeira das imagens kantianas da razão pura-prática. Finalmente, elaboramos uma interpretação de The End of Progress de Amy Allen, que estabelece sólido terreno crítico à teoria do reconhecimento social, imaginando mecanismos teóricos para o desenlace dos problemas contidos nessa análise já tão celebradas pelas humanidades.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bruno Vasconcelos, Instituto Federal de Ciência e Tecnologia do Triângulo Mineiro (IFTM)

Doutor(a) em Sociologia pela Universidade de Brasília (UnB), Brasília – DF, Brasil. Professor(a) do Instituto Federal de Ciência e Tecnologia do Triângulo Mineiro (IFTM), Triangulo Mineiro – MG, Brasil.

Referências

ALLEN, A. The End of Progress: Decolonizing the Normative Foundations of Critical Theory. New York: Columbia University Press, 2016.

ADORNO, Theodor W; HORKHEIMER, Max. Dialética do Esclarecimento. Rio de Janeiro, Zahar Editores, 1985.

HEGEL, G. Fenomenologia do espirito. Petrópolis, Vozes, 1997.

HEGEL, G. Filosofia do Direito. São Paulo: UNISINOS/UNICAP/LOYOLA, 2010.

HONNETH, Axel. Luta por reconhecimento: a gramática moral dos conflitos sociais. São Paulo: Editora 34, 2009.

KANT, Immanuel. À paz perpétua. Porto Alegre: L&PM, 1989.

KANT, I. Crítica da razão pura. Tradução e notas de Fernando Costa Matt os. Petrópolis: Vozes, 2012.

SENNETT, R. O Declínio do Homem Público: as tiranias da intimidade. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

SMITH, Adam. A riqueza das nações: investigação sobre sua natureza e suas causas. São Paulo: Abril Cultural, 1983.

Downloads

Publicado

2023-10-31

Como Citar

VASCONCELOS, Bruno. O negativo do reconhecimento: do progresso ao irreconhecimento do progresso. Griot : Revista de Filosofia, [S. l.], v. 23, n. 3, p. 252–271, 2023. DOI: 10.31977/grirfi.v23i3.3543. Disponível em: https://periodicos.ufrb.edu.br/index.php/griot/article/view/3543. Acesso em: 29 fev. 2024.

Edição

Seção

Artigos