Tristeza, cólera e a questão da empatia pelos vencedores: Walter Benjamin e a escrita disruptiva da história

Autores

DOI:

https://doi.org/10.31977/grirfi.v23i3.3441

Palavras-chave:

Filosofia da história; Benjamin; Teoria dos afetos; Transmissão cultural; Cólera; Melancolia.

Resumo

Neste artigo estudo uma disposição afetiva abordada por Walter Benjamin nas Teses sobre o conceito de história, mais precisamente, estudo a empatia (Einfühlung). Este afeto estaria presente no tipo de historiografia rejeitada pelo autor, uma vez que ela seria a “empatia pelos vencedores”. Trabalho no presente estudo com uma hipótese “ou-ou”. Benjamin diferencia dois tipos de escrita da história, a inautêntica e a autêntica: ou bem o historiógrafo parte do horror (Grauen) inerente aos acontecimentos históricos, ou bem ele elege certos passados e sente empatia (Einfühlung) pelos espólios da transmissão cultural. Também em outros escritos de Benjamin encontramos uma atribuição pejorativa à empatia, e a razão para tal, sugerimos, é a de que o historiador deve “fazer explodir” a linha de continuidade da história, enfatizando, em vez de um afeto conciliador ou mesmo apaziguador e conformista, o afeto colérico com relação aos acontecimentos opressores e, portanto, um aspecto “destrutivo”, “disruptivo” da história.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luciano Gomes Brazil, Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP)

Doutor(a) em Filosofia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de Janeiro – RJ, Brasil. Pós-doutorando(a) na Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP), Ouro Preto – MG, Brasil.

Referências

ABBAGNANO, Nicola. Dicionário de filosofia. Tradução de Alfredo Bossi e revisão da tradução de Ivone Castilho Benedetti. São Paulo: Martins Fontes, 2007

ADORNO, Theodor. Correspondência, 1928-1940. Tradução de José Marcos Mariani de Macedo. São Paulo: editora UNESP, 2012

BENJAMIN, Walter. Sobre o conceito de história: edição crítica. Organização e tradução de Alberto Müller e Márcio Selligman-Silva. São Paulo: Alameda, 2020

BENJAMIN, Walter. Arquivo N [Teoria do Conhecimento, Teoria do Progresso] in Passagens. Edição alemão de Rolf Tiedemann; organização da edição brasileira de Willi Bolle; colaboração na organização da edição brasileira Olgária Matos; tradução do alemão Irene Aron, tradução do francês Cleonice Mourão; revisão técnica Patrícia de Freitas Camargo. Belo Horizonte: editora UFMG, 2018 (Volume 2, p.759-807)

BENJAMIN, Walter. O Conceito de crítica de arte no romantismo alemão. Tradução, prefácio e notas de Márcio Selligman-Silva. São Paulo: Iluminuras, 2018

BENJAMIN, Walter. Escritos sobre Mito e Linguagem (1915-1921). Organização, apresentação e notas de Jeanne Marie Gagnebin. Tradução de Susana Kampff Lages e Ernani Chaves. (Coleção Espírito Crítico). São Paulo: Duas Cidades: ed. 34, 2013.

BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. Tradução de Sérgio Paulo Rouanet. Prefácio de Jeanne Marie Gagnebin. São Paulo: editora brasiliense, 1987 (obras escolhidas, volume 1)

BENJAMIN, Walter. Origem do drama barroco alemão. Tradução, apresentação e notas de Sérgio Paulo Rouanet. São Paulo: editora brasiliense, 1984

BRAZIL, Luciano. Pensar do pensar do pensar. A crítica como medium- de-reflexão na tese de doutoramento de Walter Benjamin. Dissonância: Revista de Teoria Crítica. Publicação Online Avançada, p. 1-31, 2021

CURTIS, Robin. Einfühlung e Abstração na Imagem em Movimento: reflexões histórica e contemporânea. Tradução: Ivani Santana. Revista Eletrônica MAPA D2 - Mapa e Programa de Artes em Dança (e Performance) Digital, Salvador, jun. 2016; 3(1): 9-38.

FREUD, Sigmund. Luto e Melancolia in Introdução ao narcisismo: ensaios de metapsicologia e outros textos (1914-1916). Tradução e notas de Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2010

JAREK, Márcio. A constelação vida: política e linguagem na juventude de Walter Benjamin. 2016. 185 f. Tese (Doutorado) - Curso de Filosofia, Pontíficia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2016.

KHATIB, Sami. The Messianic Without Messianism, Anthropology & Materialism [Online], 1 | 2013, Online since 15 October 2013 http://journals.openedition.org/ Acessado em 06 de junho de 2023

KONDER, Leandro. Walter Benjamin: o marxismo da melancolia. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1999.

LUKÁCS, George. A teoria do romance: um ensaio histórico-filosófico sobre as formas da grande épica. Tradução, posfácio e notas de José Marcos Mariani de Macedo. São Paulo: Duas Cidades; ed.34, 2000 (Coleção Espírito Crítico)

NIETZSCHE, Friedrich. A Genealogia da moral: uma polêmica. Tradução, notas e posfácio de Paulo César de Souza. São Paulo: companhia das letras, 1998

RANGEL, Marcelo de Mello. A História e o impossível: Walter Benjamin e Derrida. Rio de Janeiro: Ape’Ku, 2020.

RANGEL, Marcelo de Mello. A melancolia benjaminiana: fúria, amor e delicadeza. 2023 (no prelo)

RUSH, Fred. Jena Romanticism and Benjamin´s critical epistemology in BENJAMIN, Andrew; HANSSEN, Beatrice (org). Walter Benjamin and romanticism. New York/London: Continuum, 2002. p.123-136

SELLIGMAN-SILVA, Márcio. Ler o livro do mundo. Walter Benjamin e crítica literária. São Paulo: Fapesp, Iluminuras, 1999

WEBER, Samuel. Benjamin´s -abilities. Cambridge: Harvard University Press, 2008.

WEIDNER, D. Life after life: a figure of thought in Walter Benjamin. Conferência realizada no Colóquio Internacional Nachleben. Escrita e imagem em Walter Benjamin e Aby Warburg, Universidade Federal de Minais Gerais, Belo Horizonte, Brasil, out. 2012. Disponível em: <http://www.zfl-berlin.org/tl_files/zfl/downloads/personen/weidner/life_after_life.pdf>. Acesso em: 16 set. 2020.

Downloads

Publicado

2023-10-31

Como Citar

GOMES BRAZIL, Luciano. Tristeza, cólera e a questão da empatia pelos vencedores: Walter Benjamin e a escrita disruptiva da história. Griot : Revista de Filosofia, [S. l.], v. 23, n. 3, p. 120–130, 2023. DOI: 10.31977/grirfi.v23i3.3441. Disponível em: https://periodicos.ufrb.edu.br/index.php/griot/article/view/3441. Acesso em: 29 fev. 2024.

Edição

Seção

Artigos