Os desafios da fundamentação metafísica cartesiana da ciência

Autores

DOI:

https://doi.org/10.31977/grirfi.v23i3.3436

Palavras-chave:

Descartes; Verdade; Certeza; Deus; Ciência; Ideias.

Resumo

A epistemologia cartesiana se insere num ousado projeto de superar as teorias do conhecimento antigo-medievais. As Medições Metafísicas, obra de Descartes, escrita em 1641, é o principal marco teórico da radical e inovadora ruptura filosófica empreendida neste período que tem grandes reflexos nos séculos seguintes. Quais os principais desafios teóricos enfrentados pelo cartesianismo, para solidificar e consolidar a Modernidade filosófica em bases científicas, por meio dos critérios da clareza e da distinção? Essa questão guia o presente artigo que, por meio de uma revisão bibliográfica, seguindo o método de análise crítico-investigativo, via releituras e interpretações de renomados comentaristas busca pôr em evidência os principais pontos para a fundamentação metafísica cartesiana da ciência. Os textos cartesianos concernentes à temática em tela de juízo crítico são escrutinados e revistos, buscando-se salientar seu ineditismo na história da filosofia Ocidental ao contrapô-los com as teorias da epistemologia e da teologia herdadas da tradição. O ideal de ciência cartesiano funda-se na indubitabilidade como critério último de certeza e supera as formas de ceticismo anteriores da história com impactos em todos os campos do saber humano. Conclui-se, cientes dos limites da presente investigação, que o pensamento cartesiano centra-se na primazia do pensamento e das ideias sobre os dados de origem sensível, para fundamentar sua visão de mundo e sua justificação da verdade, tendo, ainda, o conhecimento certo e verdadeiro da ideia de Deus como sustentáculo epistemológico das verdades, contudo, não mais o Deus da metafísica antigo-medieval.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luis Fernando Biasoli, Universidade de Caxias do Sul (UCS)

Doutor(a) em Filosofia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS) Porto Alegre – RS, Brasil. Profesor(a) da  Universidade de Caxias do Sul (UCS), Caxias do Sul – RS, Brasil.

Referências

ARIEW, Roger. Descartes and scholasticism: the intellectual background to Descartes´s trought. In: The Cambridge Companion to Descartes. Cambridge: Cambridge University Press, 1992. p. 58-90.

ARISTÓTELES. Metafísica. São Paulo: Edições Loyola, 2002.

CAVAILLÉ, Jean-Pierre. Descartes a Fábula do Mundo. Lisboa: Instituto Piaget, 1997.

CLARKE, D. Descartes's philosophy of science and the scientific revolution. IN: The Cambridge Companion to Descartes. Cambridge: Cambridge University Press, 1992. p. 258 85.

DESCARTES. Oeuvres de Descartes; publiées par Charles Adam e Paul Tannery. Paris: Vrin/CNRC, 1971-1974, 13 v.

DESCARTES. Discurso do Método; As paixões da Alma; Meditações; Objeções e Respostas; Cartas. Introdução de Gilles-Gaston Granger; Prefácio e Notas de Gérard Lebrun; Tradução de J. Guinsburg e Bento Prado Júnior. 4 ed. São Paulo: Nova Cultural (Coleção Os Pensadores), 1987-1988, 2 FABRO, Cornelio. Introduzione all’ateismo moderno. Roma: Editrice Studium, 1969.

DESCARTES. Princípios da Filosofia. Tradução de Alberto Ferreira. 4 ed. Lisboa: Guimarães Editores, 1969.

FICHANT, Michel. Science et Métaphysique dans Descartes et Leibniz. Paris: PUF, 1989.

GILSON, Etienne. Index scolastico-cartésian. 2 ed. Paris: 1979.

GOUHIER, Henri. La pensée métaphysique de Descartes. Paris: Librairie J. Vrin, 1962.

GRIMALDI, Nicolas. L’expérience de la pensée dans la philosophie des Descartes. Paris: Librairie J. Vrin 1978.

GUÉROULT, Martial. Descartes selon l'ordre des raisons. Paris: Aubier/Montaigne, 1953. 2 v.

KANT, I. Critique de la Raison Pure. Tradução de José Barni. Paris: Garnier Flammarion, 1976.

KENNY, Anthony. Descartes – a Study of his Philosophy. Bristol: Thoemmes Press, 1995.

LANDIM, Raul. Evidência e Verdade no Sistema Cartesiano. São Paulo: Loyola, 1992.

MARION, Jean-Luc. Sobre a ontologia cinzenta de Descartes. Lisboa: Instituto Piaget, 1997.

POPKIN, R. H. The History of Scepticism from Erasmus to Descartes. Nova Iorque: Harper & Row, 1964.

TEIXEIRA, Lívio. Ensaio sobre a moral de Descartes. São Paulo: Brasiliense, 1980.

ZILLES, Urbano. Filosofia da Religião. São Paulo: Paulinas, 1991.

ZILLES, Urbano. O Problema do Conhecimento de Deus. 2. Ed. Porto Alegre: EDIPUCRS, 1997.

Downloads

Publicado

2023-10-31

Como Citar

BIASOLI, Luis Fernando. Os desafios da fundamentação metafísica cartesiana da ciência. Griot : Revista de Filosofia, [S. l.], v. 23, n. 3, p. 106–119, 2023. DOI: 10.31977/grirfi.v23i3.3436. Disponível em: https://periodicos.ufrb.edu.br/index.php/griot/article/view/3436. Acesso em: 29 fev. 2024.

Edição

Seção

Artigos