O lugar da obra de arte na filosofia do sublime do século XVIII

Autores

DOI:

https://doi.org/10.31977/grirfi.v20i3.1935

Palavras-chave:

Sublime Natural; Estética Setecentista; Kant; Burke; Schiller.

Resumo

A relação entre o sublime e a arte, a princípio, soa natural e certa, mas ao longo do século XVIII algumas teorias afastaram essa categoria da produção artística. Foram décadas notadamente frutíferas nas questões sobre o sublime, período em que não só o sublime recebe seu título de categoria estética como destacadamente participa das questões epistemológicas da recém cunhada disciplina Estética. Nesse cenário, alguns pensadores se voltam exclusivamente para o sublime natural. Esse artigo procurará mostrar o caminho percorrido por esse conceito a partir da recepção pelos ingleses, em 1689, do tratado sobre retórica do século I d.C. intitulado Peri Hypsos, traduzido por Boileu-Despréaux como Sobre o Sublime e atribuído ao crítico grego Cassius Longinus. Visitaremos as teorias de pensadores como Joseph Addison, Edmund Burke e Immanuel Kant, que apontam para o sublime exclusivamente como contemplação da natureza, e encerraremos essa jornada na reinserção do drama trágico na categoria sublime por Friedrich Schiller. Fecha-se, dessa forma, o que chamamos aqui de “ciclo do sublime natural”, que se inicia na leitura característica dos britânicos empiristas, encontra sua mais bem acabada teoria na terceira Crítica kantiana e se encerra no trabalho teórico e literário do poeta de Weimar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Renata Covali Cairolli Achlei, Universidade Federal do Paraná (UFPR)

Doutoranda em Filosofia na Universidade Federal do Paraná (UFPR), Curitiba- SC, Brasil.

Referências

ADDISON, Joseph. The Pleasures of Imagination. Londres: Spectator, 1712. Disponível em: https://www.ourcivilisation.com/smartboard/shop/fowlerjh/

BEISER, Frederick. Schiller as a Philosopher – A Re-examination. Oxford: Oxford University Press, 2005.

BRADY, Emily. The Sublime in Modern Philosophy – Aesthetics, Ethics and Nature. New York: Cambridge University Press, 2013.

BOILEAU-DESPRÉAUX, Nicolas. A Arte Poética. São Paulo: Perspectiva, 1979.

BOILEAU-DESPRÉAUX, Nicolas. Prefácio. In: PSEUDO-LONGINO. Traité du sublime. Paris: Le Livre de Poche, 1995

BURKE, Edmund. Uma investigação filosófica sobre a origem de nossas idéias do sublime e do belo. Campinas: Unicamp, 1993.

BURNET, Thomas. The Sacred Theory of the Earth. Londres: R. Norton, 1691. Disponível em: http://www.cedarcitylodge.org/books/sacred_theory_of_earth.pdf

COURTINE, Jean-Jacques et al. Du Sublime. Paris: Éditions Belin, 1988.

DORAN, Robert. The Theory of the Sublime – from Longinus to Kant. Cambridge: Cambridge University Press, 2015.

FIGUEIREDO, Virgínia de Araújo. Os Três Espectros de Kant. In: Horizontes do Belo. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2017.

GUYER, Paul. Kant’s Conception of Fine Arts. The Journal of Aesthetics and Art Criticism, vol. 52, No. 3, pp. 275-285, 1994.

HERTZ, Neil. O Fim da Linha - Ensaios sobre a Psicanálise e o Sublime. Rio de Janeiro: Imago, 1994

HUGO, Victor. Do Grotesco e do Sublime - Tradução do prefácio de Cromwell. São Paulo: Perspectiva, 2014

HUME, David. Do Padrão do Gosto. In: HUME, David. Ensaios Morais, Políticos e Literários. São Paulo: Nova Cultural, 1996

KANT, Immanuel. Crítica da Faculdade de Julgar. Petrópolis: Vozes, 2016

KANT, Immanuel. Observações Sobre o Sentimento do Belo e do Sublime. Campinas: Papirus, 2000.

PSEUDO-LONGINO. Do Sublime. São Paulo: Martins Fontes, 1996.

LYOTARD, Jean-François. Lições Sobre a Analítica do Sublime. Campinas: Papirus, 1993.

MACHADO, Roberto. O Nascimento do Trágico - de Schiller a Nietzsche. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2005.

SCHARPE, Lesley. Friedrich Schiller – Drama, Thoughts and Politics. Cambridge: Cambridge University Press, 1991)

SCHILLER, Friedrich von. A Educação Estética do Homem em uma série de cartas. São Paulo: Iluminuras, 1995

SCHILLER, Friedrich von, Die Seeligen Augenblike an Laura. In: SCHILLER, Friedrich von. Anthologie auf das Jahr 1782, Stuttgart, 1973.

SCHILLER, Friedrich von. Do Sublime ao Trágico. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2011.

SCHILLER, Friedrich von. Guilhermo Tell. Santa Fe: El Cid Editor, 2002.

SCHILLER, Friedrich von. Love and Intrigue. Project Gutenberg, 2004. Disponível em: http://www.dominiopublico.gov. br/download/ texto/bk000 118.pdf.

SCHILLER, Friedrich von. Maria Stuart. São Paulo: Abril Cultural, 1983.

SCHILLER, Friedrich von. On the necessary limitation in the use of beauty and form. In: SCHILLER, Friedrich von. Aesthetical and philosophical Essays. London: Forgotten Books, 2016.

SCHILLER, Friedrich von. Os Bandoleiros. Porto Alegre: L&PM, 2001.

SCHILLER, Friedrich von. Teoria da Tragédia. São Paulo: Herder, 1964

SCHILLER, Friedrich von. The moral utility of aesthetic manners. In: SCHILLER, Friedrich von. Aesthetical and philosophical Essays. London: Forgotten Books, 2016.

SHAW, Phillip. The Sublime. Abingdon: Routledge, 2006.

VIEIRA, Vladimir. Entre a Razão e a Sensibilidade: A Estética pós-kantiana e o problema da cisão entre sensível e suprassensível. 2009. 222f. Tese (Doutorado em Filosofia) – Universidade Federal do Rio de Janeiro.

WEISKEL, Thomas. O Sublime Romântico - Estudos sobre a Estrutura e a Psicologia da Transcendência. Rio de Janeiro: Imago, 1994.

WICKS, Robert. Kant on Fine Art: Artistic Sublimity Shaped by Beauty. The Journal of Aesthetics and Art Criticism, vol. 53, No. 2, pp. 189-193, 1995.

Downloads

Publicado

2020-10-20

Como Citar

ACHLEI, Renata Covali Cairolli. O lugar da obra de arte na filosofia do sublime do século XVIII. Griot : Revista de Filosofia, [S. l.], v. 20, n. 3, p. 257–273, 2020. DOI: 10.31977/grirfi.v20i3.1935. Disponível em: https://periodicos.ufrb.edu.br/index.php/griot/article/view/1935. Acesso em: 28 fev. 2024.

Edição

Seção

Artigos